30/10/2019 - 07:00

Parlamentar divulga projeto que institui aula de biodança nas escolas municipais



O vereador Tibério Limeira (PSB) repercutiu duas ações de seu mandato, em pronunciamento, durante a sessão ordinária dessa terça-feira (29), na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP). O parlamentar lembrou do ‘Dia Municipal da Biodança’, celebrado em 29 de outubro na Capital, e divulgou um Projeto de Lei (PL), de sua autoria, para a implantação da prática integrativa nas escolas da rede municipal de ensino.
“A CMJP trata da importância da biodança desde 2017, quando reconhecemos, ainda em vida, o trabalho e o talento do professor Sinfrônio de Assis Correia Lima com a Medalha Cidade de João Pessoa. Ele foi um dos fundadores da Escola de Biodança Sistema Rolando Toro, que funciona aqui há mais de 20 anos. Agora, um projeto de lei de nossa autoria pretende instituir nas escolas municipais essa prática integrativa complementar, que previne muitos males à saúde”, anunciou Tibério Limeira.
Segundo o parlamentar, é fundamental dar visibilidade às práticas integrativas que, como a biodança, elevam a qualidade de vida das pessoas, a exemplo da acupuntura, aromaterapia, auriculoterapia, reiki, entre outras. “Fica o compromisso do nosso mandato para que visibilizemos ainda mais as práticas integrativas complementares, para que elas sejam difundidas nas escolas e possamos potencializar a promoção da saúde na cidade, possamos elevar nosso nível de consciência. Parabéns aos que trabalham com a biodança na nossa cidade”, homenageou.
Na ocasião, Tibério Limeira ainda falou da contribuição do chileno Rolando Toro Araneda ao criar a biodança, e lembrou que a prática é disponibilizada gratuitamente nos Centros de Práticas Integrativas municipais. “Servindo para casos de depressão, ansiedade e crises de pânico, entre outros males, a biodança é um convite ao modo de viver que favorece o desenvolvimento humano. Ela ajuda a entrar em contato profundo com a própria identidade, melhorando a vontade de viver e a renovação existencial, ativando potenciais adormecidos e possibilitando formas de comunicação mais profundas”, enfatizou o vereador.
Em seguida, ao usar da fala em tribuna, Helena Holanda (PP) recuperou o tema ao reconhecer a importância da prática. A parlamentar enfatizou que deve-se adequar as práticas de biodança de acordo com as idades dos participantes.
Biodança
A chamada ‘dança da vida’, que objetiva a promoção da saúde, da consciência ética e da alegria de viver, também é chamada de ‘psicodança’. Utiliza-se de fundamentos da biologia, psicologia e da antropologia para promover integração afetiva, renovação orgânica e reaprendizagem das funções originais da vida. Não é apenas uma terapia, esporte ou dança, mas também uma pedagogia da arte de viver. Baseia-se em vivências criadas através de movimentos de dança, ao som de músicas que geram uma catarse purificadora no praticante, através de situações de encontro não verbal em grupo, contribuindo para a renovação orgânica e reaprendizagem das funções originárias da vida.