21/10/2019 - 12:35

Paralisação de advertência, no transporte coletivo público, deixa mais de 200 mil pessoas, sem transporte, na Capital



Por atraso no pagamento da última quinzena, trabalhada por funcionários das empresas do transporte coletivo público, mais de 200 mil pessoas estão sem locomoção, na Capital paraibana, a partir das 9h00 desta segunda-feira. A paralisação configurou-se ao longo dos principais corredores viários da cidade, com enfileiramentos de grande parte da frota circulante (foto), sem contar com as reservas que se concentra nas garagens das empresas. O movimento, segundo operadores do serviço, só terá fim no dia 23 próximo, caso o pagamento não seja efetuado até o final do dia de hoje.
Segundo alguns profissionais que operam esse serviço, em João Pessoa, quase 500 ônibus circulam, diariamente, por todos os Bairros da cidade. Por convenção celebrada, entre funcionários e patrões, na Ministério do Trabalho e Emprego (Superintendência Regional), o pagamento de cada quinzena trabalhada, pela categoria, deve ser efetuado até o dia 20 de cada mês – porém, quando a data “cair” em finais de semana, o compromisso tem que ser sanado na sexta-feira antecedente.
O transporte coletivo público de João Pessoa, segundo o Sintur-JP, entidade representativa, está consorciados em dois grandes grupos, sendo um constituído de quatro empresas (Navegantes - São Jorge, Santa Maria, Marcos da Silva e Mandacaruense; Unitrans – Reunidas e Transacional). Para a entidade classista, a decisão dos funcionários dessas empresas, em paralisar o serviço, nesta segunda-feira, foi muito precipitada, não apenas pela inexpressividade do atraso no pagamento dos últimos quinze dias trabalhados, sem contar que estar levando em conta a situação de dificuldades por que as empresas, estão passando, atualmente, por causa do transporte alternativo/clandestino que se vem operando, ao longo de anos, na Capital.