09/05/2020 - 09:12

O isolamento não é um fim em si mesmo, mas é o que parece que está ocorrendo em nossa cidade, acredita o vereador Bruno Farias



Acompanhando as ações da Prefeitura Municipal no combate ao covid-19 em João Pessoa, o vereador Bruno Farias, Presidente Municipal do Cidadania-JP, acredita que as ações estão bem aquém do necessário.




“Ao avaliar e ‘debulhar’ o que de concreto foi feito pela PMJP no enfrentamento ao coronavírus, a gente conclui que muito pouco foi efetivamente realizado”, afirma.




O parlamentar acredita que, mesmo no momento de crise, é preciso planejamento e responsabilidade com os recursos públicos. De acordo com dados do Portal da Transparência, o município recebeu do Governo Federal aproximadamente 30 milhões de recursos de transferências do SUS e convênios, e apenas 15 milhões foram empenhados. Fora isso, a CMJP autorizou a abertura de crédito extraordinário de mais de 45 milhões de reais para que a PMJP invista no combate à pandemia.




Segundo dados do site oficial da prefeitura, Cartaxo prometeu abrir 367 leitos para combater a pandemia, no entanto, do dia 23/03 (termo inicial do Decreto) até hoje, apenas 128 leitos de UTI foram abertos.




O prefeito anunciou em março que o antigo HTOP (Prontocor) e o Hospital 13 de Maio seriam reestruturados e equipados para receber pacientes com Covid. Entretanto, nenhum dos dois está funcionando.




“O mais grave é que, para o Hospital 13 de Maio, ainda não existe recurso disponibilizado e nem está em processo licitatório. Já o PRONTOCOR, que será chamado Prontovida, tinha previsão para ser concluído em 5 de maio e iniciar o seu funcionamento no dia 11 de maio, o que merecerá a nossa fiscalização e nosso acompanhamento”, diz.




Apesar de concordar com o isolamento e admitir que ele serviu para o propósito de adiarmos a ascensão da curva da doença, Bruno pondera que o isolamento não é um fim em si mesmo, mas é o que parece que está ocorrendo em nossa cidade.




“O propósito maior do isolamento, além de impedir o crescimento abrupto da curva de contágio e de óbitos, é preparar o sistema de saúde para que não entre em colapso, fazendo com que a demanda possa ser atendida pelo Poder Público. Mas será que isso foi feito em João Pessoa? Durante o período de isolamento, o sistema de saúde se preparou para atender a demanda da população e para combater a pandemia? Conseguimos, nesse isolamento de quase 60 dias, ampliar as UTIs em nossa cidade em quantidade necessária? Conseguimos aumentar o número de profissionais de saúde? Conseguimos ofertar salários mais dignos para os trabalhadores de saúde que estão na linha de frente do combate ao Corona? Conseguimos adquirir equipamentos de proteção individual suficientes para os profissionais de saúde? A PMJP conseguiu comprar mais testes para a população, sejam testes rápidos, sejam convencionais? Foram feitas campanhas publicitárias maciças de prevenção e higienização? Na minha opinião, não tenho dúvidas de que os avanços não foram os esperados pela população”.




Para Bruno Farias, as ações voltadas para o setor produtivo (micro, pequenos, médios e grandes empresários), principalmente no que tange à diminuição da carga tributária, à suspensão dos processos fiscais e à concessão de linhas de crédito especiais, foram muitíssimo discretas, quase imperceptíveis.




O vereador também acredita que não foi elaborado nenhum plano de retomada, mesmo que lenta e gradual ou mesmo que seja implementado bem mais adiante, da economia com a reabertura do comércio. Segundo Farias, “o momento ainda é de isolamento, para que a gente preserve a vida e a saúde das pessoas, mas um plano de retomada já deve começar a ser confeccionado juntamente com as entidades da sociedade civil ligadas ao comércio e à indústria. Mesmo que tal plano só possa ser efetivado daqui a alguns dias, ele já precisa ser delineado para que, após contermos a disseminação do vírus, já tenhamos um farol a seguir na busca pelo crescimento econômico de João Pessoa”, finaliza.