11/05/2019 - 10:06

Mulher precisa de no mínimo sete consultas ao longo da gestação



A indicação do “positivo” em um exame que identifica a gestação traz uma série de mudanças para vida de uma família e, principalmente, para vida da mulher que durante nove meses de gestação estará formando um novo ser dentro de si. Diante desse cenário, vale ressaltar que o que a futura mamãe faz ou deixa de fazer durante este período tem um grande impacto na saúde do bebê. Por isso, é importante que a mulher passe por um acompanhamento que estabeleça cuidados com a alimentação, pele, exames e consultas de rotina.
Tudo isso é garantido por meio do pré-natal que, conforme explica o coordenador da Neonatologia e Pediatra do Hospital Hapvida, em João Pessoa, Alexandre Almeida, nada mais é que “uma assistência médica, de enfermagem e muitas vezes multidisciplinar, prestada a gestantes durante os nove meses de gestação, visando o monitoramento e cuidado da saúde da mãe e do bebê”. O Ministério da Saúde recomenda no mínimo sete consultas ao longo dos nove meses de gestação para que assim se obtenha um pré-natal adequado.
De acordo com o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), divulgado em 2018 pela Federação Estadual de Indústrias, um terço das gestantes brasileiras que tiveram bebê em 2016 não teve acesso ao pré-natal adequado. Esse número equivale a 1 milhão dos partos realizados naquele ano.
Diante desses números, o neonatologista explica que o pré-natal precisa ser iniciado a partir do descobrimento da gravidez. “A realização do pré-natal é indispensável para que haja um monitoramento da saúde, para informações, prevenção e tratamento de possíveis doenças. Além disso, é fundamental para os cuidados com a mãe e o bebê”, afirma o médico.
Apesar de os cuidados serem, de certo modo, simples, o médico alerta que a mulher que deixa de realizar o pré-natal está sujeita a viver as consequências dessa falta de rotina médica que vai desde a falta de informações importantes a graves doenças. “A gestante que deixa de fazer o pré-natal pode sofrer com a falta de informação adequada, perda de monitoramento e intervenção precoce nos problemas, agravo de doenças preexistente, falta de vacinação, não prevenção de doenças, trabalho de parto prematuro, transmissão vertical de doenças e riscos de graves problemas para gestantes e bebês”, finaliza o médico.
Exames – O coordenador de neonatologia elenca alguns dos exames que são imprescindíveis para a fase do pré-natal. “A lista é grande, mas basicamente temos exames como hemograma, glicemia, tipagem sanguínea, sorologias, ultrassonografias, sumário de urina, urocultura, exame de fezes, bacterioscopia e citologia oncótica. Porém, como nenhuma gestação é um padrão existem alguns exames que se tornam específicos de acordo com o histórico de cada gestante”, ressalta Alexandre.
Além dos exames de rotina, as gestantes precisam estar atentas à qualidade da alimentação ingerida nessa fase. “Comer saudável é a regra, observando uma dieta que promova a curva de ganho de peso adequado para mãe e o feto. Suplementação de vitamina e dieta balanceada são ajustadas por médico, enfermeiros e nutricionistas. Lembrando que é preciso evitar o consumo de álcool”, alerta o especialista.
Cuidados com a pele – Os cuidados devem ser estendidos também com a pele. Afinal, essa é uma fase em que a aparência física da mulher muda bastante. Nesse contexto o médico explica que um aliado das gestantes deve ser o protetor solar. “Ele serve para evitar e prevenir manchas na pele e melasma, tão comuns no período gestacional”, explica Alexandre.
Outros cuidados com a pele são os que têm o intuito de prevenir estrias, celulites e varizes. Nesse quesito, a recomendação é buscar manter o peso adequado. Exercícios físicos só devem ser praticados sob recomendação médica e o uso de hidratantes e limpeza de pele são liberados. Porém, alguns tratamentos para cabelo podem ser contraindicados por obstetras.