28/02/2020 - 21:46

Fórum de Segurança e Governo do Estado voltam a se reunir na próxima semana



Terminou em clima de esperança a Audiência convocada pelo desembargador Leandro Santos, nesta sexta-feira (28), no Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB). Não houve um denominador comum mas as representações do Fórum das Entidades das Polícias Civil, Militar e Bombeiros esperam chegar no resultado almejado pela força de segurança na próxima semana. Apesar de terminado sem acordo com o Governo do Estado, uma outra audiência foi marcada para a próxima sexta-feira (6) com o intuito de findar as negociações. 


Não houve mudança nas propostas apresentadas, o que se discutiu na Audiência foi o cálculo do impacto gerado aos cofres públicos. De acordo com o Fórum, o impacto da proposta do Governo do Estado é de R$ 454 milhões, já a proposta das entidades, o valor chega a R$ 476 milhões, impacto feito pela Secretaria de Administração, uma diferença de R$ 22 milhões em três anos. 


“Com uma diferença de R$ 22 milhões, creio que podemos chegar a um acordo na semana que vem, contando com a boa vontade do Governo do Estado. Na próxima sexta, em Audiência, creio que chegaremos a um denominador comum”, explica Steferson Nogueira, delegado de Polícia Civil e presidente da Associação das Prerrogativas dos Delegados de Polícia Civil da Paraíba (Adepdel).


Steferson avaliou a Audiência como positiva já que os presentes puderam, mais uma vez, manter o diálogo. “Quero agradecer ao poder judiciário, na pessoa do desembargador Leandro, que possibilitou essa audiência para expor essa negociação que acontece desde maio de 2019”, disse.
Para o desembargador  Leandro dos Santos, o fim do impasse está chegando.  “As propostas foram colocadas a mesa e a gente espera que na próxima sexta-feira, se chegue ao fim esperado por todos, principalmente pela sociedade”, afirmou ao final da audiência. 


Saiba o que está sendo negociado


O Fórum das Entidades das Polícias Civil, Militar e Bombeiros negociam um reajuste de 24% a partir de 2021 e a incorporação de 100% da bolsa em 3 anos. A contraproposta do Governo do Estado é de incorporar 30% na bolsa (que é cortado assim que o agente se aposenta) em 36 meses e mais 5% de aumento em cima do valor da bolsa de um ativo. Esse valor representa R$ 5 no soldo de um soldado.