25/04/2020 - 15:39

Famup integra Comissão Especial da ALPB no enfrentamento ao novo coronavírus e ressalta que trabalho não é punitivo



A Federação das Associações de Municípios da Paraíba (FAMUP) participou, nesta sexta-feira (24), de reunião com a Comissão Especial da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) que trata sobre acompanhamento e fiscalização de ações no enfrentamento ao novo coronavírus. Foram discutidas as ações que devem ser desenvolvidos no combate à doença nos municípios paraibanos.

A Comissão Especial da ALPB atua no sentido de orientar e fiscalizar os gestores municipais na aplicação dos recursos federais e estaduais recebidos para combater o coronavírus.

“Entendemos que são muitas informações que os gestores municipais estão recebendo neste momento de pandemia por coronavírus, então o auxílio do poder público na aplicação desses recursos, na orientação de como eles podem ser utilizados de modo que seja benéfico para toda a sociedade é essencial” explicou o presidente da Famup, George Coelho.

Ainda foi discutido a possibilidade de unificar o discurso entre o Estado e municípios, para formular ações que possam ser aplicadas em toda a Paraíba. “Estamos trabalhando e foi discutido durante a reunião para que seja desenvolvido um plano de ação aplicado em todo o Estado, acreditamos que, com a união dos municípios, poderemos diminuir a curva de crescimento da doença e prontamente recuperar a economia da Paraíba”, disse George.

O plano de contingência deve ser criado em planejamento com todos os municípios paraibanos, a fim de enfrentar o coronavírus e planejar a reabertura do comércio e a recuperação da economia. Além disso, a comissão deve realizar um levantamento do que está sendo realizado nos municípios, como tem sido o isolamento social, a contabilização dos casos e as medidas de proteção.

“A Famup se coloca totalmente a disposição para ajudar os municípios e orientar na aplicação dos recursos federais e estaduais. A Comissão Especial é de extrema importância, ressaltamos que o trabalho não é punitivo, mas sim, de assessorar e cobrar as ações para que elas estejam dentro do que foi aprovado na calamidade pública”, finalizou o presidente da Famup.