21/03/2019 - 13:34

Deputado quer título de cidadão paraibano para Bolsonaro e revogar cidadania de Lula



O deputado estadual Wallber Virgolino (Patriotas) entrou na onda da Câmara de João Pessoa e anunciou um requerimento solicitando da Assembleia Legislativa, o título de cidadão paraibano ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), nesta quinta-feira (21). Wallber, porém, foi ainda mais longe, ele falou que também vai solicitar a revogação da cidadania concedida ao ex-presidente Lula (PT), alegando que não tem “conterrâneo bandido”.
A justificativa do título, para Wallber, é que Bolsonaro é presidente da República e isso já bastaria, mas acrescentou que o presidente é um “homem de bem, até que se prove o contrário, é um político que defende a moralidade, a família, a religião e como homem de bem temos que apoiá-lo”, disse.
Virgolino também detonou o ex-presidente Lula, dizendo que a Assembleia concedeu  um título de cidadão a “um bandido” que não responde só a um processo, mas vários e já está condenado em dois. “Deixou de ser criminoso e virou marginal”, afirmou.
O deputado afirmou que pode ser difícil ter apoio a esse requerimento, porém alegou que “a Paraíba não pode passar essa vergonha, não se pode ter marginal de estimação e nem homenagear pessoas que maculam não só a imagem da Paraíba como do Brasil no cenário nacional e internacional”, disse.
“Facilidade não tem, mas na onda de combate à corrupção a Situação vai se sensibilizar, a sociedade cobra transparência, moralidade do parlamento e é uma excelente oportunidade do parlamento se redimir e reparar uma injustiça. Não tenho conterrâneo bandido”, destacou.
Wallber ainda falou que o Governo Estadual comemorou um empréstimo do governo federal, e que o dinheiro veio do Governo Federal, de Bolsonaro. “Tem que aplaudir e se render”, disse.
Diferente do que afirmou Wallber, o governo federal deu garantia do empréstimo que foi contraído junto ao Banco Mundial no valor de US$ 50 milhões, não concedeu o empréstimo. A liberação do empréstimo foi aprovada pela diretoria executiva do banco em 20 de outubro de 2017.
Parte do valor recebido pelo empréstimo será utilizado em programas para substituir o PAA (Programa de Aquisição de Alimentos) no interior do Estado que era de responsabilidade do Governo Federal e está sendo desativado.
Marília Domingues/ Fernando Braz