08/10/2018 - 18:41

Candidato do Psol comenta, em nota, a vitória de João Azevedo



O candidato ao Governo da Paraíba pelo Psol, Tárcio Teixeira, comentou a vitória de João Azevedo (PSB) nas eleições deste ano.



Veja a nota na íntegra: 


Lutar por Democracia, por Direitos e Contra o Fascismo - Resolução Política do Diretório Estadual do PSOL Paraíba.
Entendemos que os votos que levaram João Azevedo a vencer as eleições ainda no Primeiro Turno não significaram necessariamente um voto de aprovação das medidas do Governo Ricardo Coutinho, muito menos um cheque em branco para o futuro governo mas, um não para as oligarquias personificadas nas candidaturas de Cássio Cunha Lima e José Maranhão.
Temos a clareza de que muitos dos votos que viriam para candidatura ao Governo da Paraíba pela Coligação Construir Poder Popular, representada por Tárcio e Adjany, deixaram de ser concretizados pela decisão popular de optar por varrer da política paraibana os golpistas inimigos do povo.
Entendemos que o fato das declarações de apoio a candidatura de Bolsonaro por parte de Cássio Cunha Lima e José Maranhão também foram decisivas para a derrota destes no processo eleitoral.
Saímos desse processo eleitoral com a certeza de nosso crescimento, não apenas pela quantidade de votos nas candidaturas de Tárcio e Adjany, Nelson Junior, Nivaldo Mangueira e em nossos/as Deputados/as Estaduais e Federais, mas pelo reconhecimento que temos tido nas ruas, nos movimentos sociais, na intelectualidade, nos meios de comunicação; pelo nosso papel de fazer uma crítica coerente ao atual Governo Estadual; por termos sido decisivos nas críticas e denúncias relacionadas ao Cássio Cunha Lima e ao José Maranhão. Somos parte direta da derrota do golpismo na chapa majoritária.
Também cumprimos uma tarefa decisiva no #EleNão, movimento construído pelas mulheres para derrotar o fascismo de Jair Bolsonaro, pois não deixamos de enfrentar essa candidatura em nenhum momento. Em todas as entrevistas, debates e sabatinas fomos enfáticos nas denúncias que envolvem o que existe de mais atrasado na política nacional, seja em sua relação com a pauta identitária, econômica, ética ou política.
Nacionalmente o PSOL ampliou sua bancada. Nas eleições de 2014 elegemos 05 Deputados Federais. Em 2018, dobramos nossa bancada eleita para 10 parlamentares, sendo metade da bancada formada por mulheres. Em 2014, elegemos 12 Deputados Estaduais. Este ano foram 18, sendo 10 mulheres. O que reforça a Primavera Feminista e a força das mulheres representada em Marielle Franco.
É verdade que o desequilíbrio econômico pesou nesse processo eleitoral, mas ele existia na candidatura de João, Maranhão e Lucélio/Cássio. O peso maior para o resultado em curso não foi apenas econômico ou o balanço positivo do atual Governo, mas a conjuntura nacional relacionada ao Golpe e ao #EleNão.
Nós temos lado. O lado da luta contra o machismo, contra o racismo, contra LGBTfobia; o lado da democracia, o lado da luta por direitos. Nossa tarefa agora é seguir a luta já iniciada no primeiro turno, fortalecer a Primavera Feminista brasileira e dizer bem alto, aos quatro cantos do Brasil, que para presidente é #EleNão, #EleNunca.
João Pessoa, 08 de outubro de 2018.
Diretório Estadual do PSOL Paraíba
Assessoria