08/01/2019 - 18:41

Um prêmio de consolo para Lucélio Cartaxo


Mal sucedido na disputa pelo governo do estado nas eleições de outubro, o executivo Lucélio Cartaxo (PV), foi nomeado para a Chefia de Gabinete da Prefeitura de João Pessoa. A nomeação do irmão do prefeito Luciano Cartaxo (PV) foi uma espécie de prêmio de consolação pelo fracasso nas urnas do último pleito. Não vou, aqui, entrar no mérito da discussão para dizer se é legal ou ilegal a nomeação do ex -candidato ao governo estadual com base na lei antinepotismo que foi aprovada pela Câmara da Capital encaminhada, inclusive, pelo atual gestor municipal. Eu também não vou questionar a capacidade técnica do executivo para o exercício da função. O que eu questiono é o fato de que como Lúcélio não logrou êxito na disputa e, por isso, não pode ficar sem um espaço na gestão do seu irmão. Não resta dúvida de que a velha política continua cada vez mais nova na gestão Cartaxo. Com o gesto de nomear o seu irmão, Luciano Cartaxo, deu a demonstração de que assim fez pelo simples fato de que Lucélio é merecedor do cargo somente pelo motivo de não ter sido eleito e que, portanto, não pode ficar sem nada. É extremamente imoral que um gestor publico aja de maneira tão desrespeitosa com os anseios da sociedade porque, certamente, não é isso o que a maioria dos pessoenses esperava de um gestor que se diz em sintonia com as mudanças que o país tanto almeja em se tratando da administração pública. Uma coisa é certa: Lucélio foi nomeado Chefe de Gabinete porque é irmão do prefeito e como disputou  eleição e não ganhou tem que ser recompensado de alguma forma.