17/07/2019 - 12:13

‘Vocês estão vivendo um novo tipo de ditadura’, diz sociólogo Manuel Castells



Na visão do sociólogo espanhol Manuel Castells, o Brasil está entrando em uma “ditadura sutil” com o governo de Jair Bolsonaro, por este pretender desmantelar a educação e mudar o imaginário da população para posições completamente opostas aos direitos humanos.
Castells afirmou nesta terça-feira, durante um seminário organizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro, que o primeiro fator que evidencia essa “ditadura sutil”, manejada através das redes sociais, é o desmantelamento da educação, já que “uma população pouco educada, mal informada e malformada é muito mais manipulável”.
“Vocês, neste momento, estão entrando no que eu chamo de uma ditadura da era da informática, uma ditadura sutil na qual o imaginário de grande parte da população brasileira está sendo mudado em direções totalmente contrárias aos direitos humanos, ao respeito, à liberdade”, explicou o sociólogo.
Para Castells, o governo Bolsonaro promove um processo de desconstrução de tudo o que permitiu que o Brasil pudesse lutar contra a ditadura militar.
“A única ferramenta útil é a capacidade instalada nas pessoas de formar seus próprios critérios, suas próprias opiniões, seus próprios valores, e resistir”, detalhou Castells.
Para o sociólogo e economista espanhol – uma das principais referências na era da informação e da sociedade em rede – o caso do Brasil não é único. Castells insere o contexto brasileiro em uma tendência mundial de manipulação demagógica dos cidadãos, na qual também inclui Donald Trump, nos Estados Unidos, Matteo Salvini, na Itália, e o processo do Brexit, na Grã-Bretanha.
“Vocês (brasileiros) não são os únicos prejudicados. O que está acontecendo no Brasil faz parte de um processo muito mais amplo no qual emoções negativas em termos de direitos humanos são majoritárias”, ressaltou o acadêmico.
Castells argumentou que o poder sempre se baseou no controle da informação e da comunicação, pela qual é feita a manipulação das mentes e das emoções através da coerção e da persuasão.
No entanto, o sociólogo espanhol destacou que esse poder sustentado pela coerção é frágil porque “sempre há maneiras de fugir da coerção”. Segundo Castells, não existem dominações permanentes, já que “os humanos são livres e podem reagir”. 
EFE