07/03/2020 - 17:44

Ronaldinho Gaúcho: Juíza determina que astro e Assis sigam presos no Paraguai



A juíza de plantão Clara Ruiz Diaz determinou que Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto de Assis, sigam em prisão preventiva enquanto durar a investigação sobre os documentos falsos que ambos apresentaram no Paraguai.

Ambos foram detidos na última sexta-feira em Assunção após o pedido do Ministério Público do país e passaram a noite na Agrupación Especializada.

Eles chegaram ao Palácio da Justiça por volta das 10h para prestar maiores esclarecimentos à juíza. Ela poderia dar um valor de fiança para que eles pagassem e ficassem em liberdade enquanto o processo continua ou até mesmo determinar uma prisão domiciliar.

O promotor Osmar Legal, no entanto, explicou que Ronaldinho e Roberto não possuem raízes no Paraguai nem residência fixa, disse que eles poderiam fugir do país e por isso pediu que eles sigam detidos pois a investigação está no início.

O cônsul adjunto do Brasil no Paraguai, Afonso Nery, também foi ao tribunal para auxiliar os irmãos Assis.

Entenda o caso

Ronaldinho e Assis desembarcaram em Assunção na quarta-feira para participarem de um evento. Os dois foram pegos com documentos aduterados no país e passaram a ser investigados.

Os passaportes haviam sido expedidos em nome de outras duas pessoas e, postoriormente, adulterados.

Além disso, a promotoria acusou outras três pessoas: o empresário Wilmondes Sousa Lira, apontado pela defesa do ex-atleta como responsável pelos documentos falsos, e as paraguaias María Isabel Galloso e Esperanza Apolonia Caballero, que foram as paraguaias que constavam nos documentos expedidos.

Na quinta-feira, o fiscal Federico Delfino afirmou que Ronaldinho Gaúcho e Assis não seriam presos por entrarem com documentos falsos no Paraguai, tendo apenas que pagarem uma "multa social".

Mas o juiz responsável pelo caso, Mirko Valinotti, do Juizado Penal de Garantias de Assunção, tomou uma decisão totalmente contrária nesta sexta-feira e determinou a detenção dos dois.

MSN