22/02/2020 - 13:04

Ressaca de cerveja é diferente? Veja como "sofrer menos" neste carnaval



De acordo com o médico Leopoldo de Freitas Araújo, clínico geral da Cia. da Consulta, a forma como cada pessoa sente os efeitos do álcool - e consequentemente a ressaca - depende de muitos fatores além do tipo de bebida escolhido. “O nível de tolerância depende da genética, do hábito de beber, estado de saúde e pode até variar entre homem e mulher”, explica. 
A diferença de interação alcoólica da cerveja quando comparada a outras bebidas se deve a alguns ingredientes específicos do preparo. “Ela é rica em carboidratos, que ajudam o corpo a processar o álcool . Além disso, muitas cervejas têm lúpulo, que em teoria pode reduzir um pouco da inflamação da bebedeira”, explica o profissional. 
Antes de comemorar, porém, é importante saber que “por outro lado, algumas pessoas têm problemas com o trigo, que é base para o malte da cerveja: nesse caso, a ressaca se soma à intolerância alimentar e se torna ainda pior”, reforça Leopoldo. 
E como reduzir os efeitos da ressaca? 
Independentemente da bebida consumida, então, o clínico geral explica que os efeitos da ressaca estão relacionados aos esforços do corpo para eliminar o álcool - uma substância nociva - de dentro de nós. “A ressaca é o corpo se recuperando do estresse. Isso significa inflamação, desidratação, perda de sais minerais e dificuldade de manter a taxa de açúcar no sangue”, explica ele.
Para amenizar esses efeitos, a melhor alternativa é ajudar o corpo evitando uma sobrecarga ainda maior. “Uma dica é consumir cerveja bem devagar. Três a quatro latinhas a cada duas horas seria o máximo de quantidade segura para a maioria das pessoas, mas você pode ser mais sensível que isso”, sugere o profissional. 
Além disso, não esqueça de se manter hidratado com bebidas não-alcoólicas entre uma dose e outra (e não apenas depois da festa), alimente-se bem antes do consumo da bebida e evite beber em dias consecutivos. Não se cura uma ressaca com outra. “É importante deixar o corpo se recuperar”, diz o médico. 

Fonte: ig,com.br