16/11/2018 - 18:51

“Não tem noção do que significa cooperação”, diz Dilma sobre Bolsonaro



A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) criticou nesta sexta-feira (16) a postura do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) crítica ao programa Mais Médicos. O militar da reserva propôs diversas mudanças na ação, que levaram Cuba a encerrar a parceria com o Brasil.
A iniciativa foi lançada em agosto de 2013, no governo da petista, e conta hoje com mais de 8 mil médicos cubanos atuando em milhares de municípios brasileiros. Bolsonaro disse que os médicos eram mantidos em condições semelhantes à escravidão.
Em artigo publicado no site oficial do PT, Dilma afirma que o fim do programa se deve a “declarações intempestivas” do presidente eleito, que, diz ela, ignora a dimensão diplomática da relação entre países. Leia a íntegra do artigo. 
“As manifestações levianas e autoritárias podem mesmo afastar também médicos de outros países que participam minoritariamente do Programa Mais Médicos”, diz a petista no artigo. A ex-presidente prossegue com as críticas e afirma que submeter os médicos cubanos a exame de validação do diploma é “depreciativo, xenófobo e arrogante”.
A petista complementa dizendo que na chamada inicial do programa não houve candidatos brasileiros suficientes e que, por isso, abriu-se o programa para médicos da América Latina; e, finalmente, como ainda não haviam sido ocupadas sequer metade das vagas, firmou-se o convênio com Cuba.
“É, ainda, uma atitude autoritária, que revela despreparo, porque rompe unilateralmente um convênio assinado com uma organização de saúde respeitada e credenciada internacionalmente”, diz Dilma.