19/04/2020 - 16:04

Manifestantes pró-Bolsonaro promovem ataques contra repórteres da Globo



Entre todas as emissoras de TV, a Globo foi a mais atingida por ataques desde a eleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Com a pandemia da Covid-19, o relacionamento do canal com os manifestantes piorou. No último mês, uma série de atentados contra repórteres carregando a marca da casa se tornaram frequentes nas ruas.

Os embates de manifestantes pró-Bolsonaro contra a emissora ganharam força em todo o país. Houve casos registrados no Espírito Santo, Minas Gerais e Bahia. Os mais pesados foram registrados no Rio de Janeiro e em São Paulo, que além de palavras de ordem contra a Globo, os profissionais foram proibidos de trabalhar.

Um dos mais graves aconteceu na porta de um hospital na cidade de SP. Renato Peters conversava com César Tralli ao vivo no SP1 quando uma mulher surgiu na tela, tomou o microfone do jornalista e começou a gritar contra o trabalho da emissora e a favor do “capitão”. “A Globo é um lixo! O Bolsonaro tem razão!”, esbravejou.

Outro caso grave ocorreu no Rio de Janeiro, quando um repórter foi hostilizado e censurado por comerciantes que protestaram contra o fechamento do comércio no Camelódromo. “Nós cobrimos vocês o tempo todo aqui, não é certo você ameaçar a gente”, defendeu o contratado do canal carioca.

Andrea Silva, da TV Bahia, foi seguida por um homem que questionava o fato dela poder trabalhar e a população ter que ficar em casa, respeitando o isolamento social. Desinformado, ele não se ateve ao fato de que o Decreto 10.288, publicado no dia 22 de março, garante a imprensa como serviço essencial.

 Terra