31/10/2020 - 19:16

China detecta coronavírus em carne de porco do Brasil



Um distrito da província chinesa de Shandong detectou covid-19 em pacotes de 1 lote de carne de porco congelada importada do Brasil.

Moradores do distrito de Wendeng, na cidade de Weihai, que podem ter entrado em contato com a carne suína devem informar às autoridades. As informações são da Reuters.

Não foi informado, entretanto, a qual frigorífico brasileiro pertencia o lote.

A ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) disse, por nota, que a covid-19 estaria na embalagem do produto, podendo ter ocorrido a contaminação durante as etapas de transporte do produto.

 

“As informações divulgadas até aqui destacam que os traços de covid-19 eventualmente encontrados estavam na EMBALAGEM do produto, o que indica que a contaminação deve ter ocorrido fora da unidade produtora –por exemplo, em uma das várias etapas de transporte até a chegada ao destino”, disse em nota.

Destacou ainda que a associação está em contato com as autoridades brasileiras para apoiar no levantamento de informações. E lembrou que não há evidências de contaminação do vírus a partir do consumo de alimentos.

Essa não é a 1ª vez que a China encontra o vírus em carne importada do Brasil. Em 13 de agosto, foi detectada a presença do novo coronavírus na superfície de uma asa de frango congelada.

O lote era destinado a cidade de Shenzhen, sul da China. O vírus foi encontrado depois de uma amostra ter sido enviada para centros locais de controle de doenças.

O Poder360 procurou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para comentar o caso, mas ainda não teve resposta.

Leia a nota na íntegra da ABPA
A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) está em contato com as autoridades brasileiras para apoiar o levantamento de informações sobre a ocorrência no distrito de Wendeng, na cidade de Weihai (China), divulgada pelas autoridades locais.

As informações divulgadas até aqui destacam que os traços de Covid-19 eventualmente encontrados estavam na EMBALAGEM do produto, o que indica que a contaminação deve ter ocorrido fora da unidade produtora – por exemplo, em uma das várias etapas de transporte até a chegada ao destino.

A ABPA lembra que não há evidências científicas de que a carne seja transmissora do vírus, conforme ressaltam a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Poder 360