09/05/2020 - 08:49

Cerca de 68% das mulheres encontram no empreendedorismo uma solução para conciliar trabalho e cuidados da família



A maternidade é um dos principais gatilhos para mulheres empreenderem. É o que revela a pesquisa Empreendedoras e seus Negócios realizada anualmente pela Rede Mulher Empreendedora. Segundo a pesquisa, 68% das mulheres ouvidas em 2019 encontraram no empreendedorismo uma saída para conciliar os cuidados da família com o trabalho. Esse é o caso de Simone Morais e Kamila Arnaud que, ao engravidarem, optaram por empreender.

Simone e Kamila além de empreenderem, tem outra coisa em comum, ambas eram advogadas e já durante a gravidez planejaram sair do trabalho. “A vontade de empreender surgiu da necessidade de uma segunda renda, já que a maternidade e a advocacia não se conciliaram. Além disso o mercado jurídico também já estava saturado, a maternidade foi um fator decisivo”, pontuou Simone, idealizadora da Citadina Loja e consultora de estilo.

Já Kamila, idealizadora da Festinhas & Co, que decidiu ainda na gravidez deixar o trabalho para se dedicar a criação do filho e aos cuidados da família não previa que voltaria a trabalhar antes do filho começar a estudar, mas encontrou no empreendedorismo uma oportunidade de aliar as duas áreas. “Comecei no ano passado, no dia das mães, ao comprar uma máquina de corte experimentei fazendo pequenas lembranças para a família. Aproveitei o dia dos namorados e comecei as vendas, vi no empreendedorismo uma oportunidade de cuidar do meu filho e garantir uma renda extra”, explicou Camila

O deputado estadual e presidente da Frente Parlamentar de Empreendedorismo e Desenvolvimento Econômico Eduardo Carneiro (PRTB), destaca que as mulheres estão cada vez mais ocupando espaço no empreendedorismo. “Nós observamos, através da nossa Frente Parlamentar, que as mulheres estão procurando empreender, nos nossos cursos de qualificação oferecidos gratuitamente há uma grande concentração de mulheres que também são mães e enxergam no empreendedorismo uma forma de crescer profissionalmente e ter também, mais tempo com a família”.

O empreendedorismo materno permite um contato maior com os filhos -No empreendedorismo materno, as mulheres encontram uma oportunidade de gerenciar o próprio tempo, definir uma carga horária e com isso, acompanhar o crescimento dos filhos. Simone destaca que o empreendedorismo permitiu algo que o trabalho ‘formal’ em escritório não permitiria, a amamentação exclusiva.

“O empreendedorismo permitiu que eu amamentasse minha filha por um ano e meio e ter tempo de qualidade com ela nessa fase tão importante. Isso foi possível porque conseguia administrar os pedidos, tempo em loja, vendas e divulgação nos intervalos da mamada por exemplo”, destacou Simone.

“Atualmente não tenho um horário certo, mas em casa eu consigo fazer tudo, cuidar da casa, do empreendimento e brincar, cuidar e educar de perto meu filho. Ainda na época da gravidez já pensei nisso como fator decisivo, por que advogar ainda exige que a gente saia de casa, para reuniões e audiências”, explicou Kamila

Inspiração - Ser mãe não cria apenas o gatilho para empreendedorismo, mas também é tem sido principal fonte de inspiração dessas mulheres, que ao encarar esse grande desafio enfrentam qualquer outro. “Eu nunca me vi fazendo trabalhos manuais, mas sempre gostei de papelaria, personalizados, algo feito especialmente para alguém.Hoje nem pareço mais a mesma, cada coisa nova que vejo quero me aventurar a fazer é como se me sentisse capaz de fazer ou arriscar tudo nessa vida agora”, explicou Kamila.

No caso de Kamila, que trabalha com papelaria e personalizados, os primeiros produtos foram sendo criados como forma de experimento para festinhas de família ou ocasiões especiais. Ela explica que desde o início do seu trabalho quem mais dá suporte é seu filho, que ainda bebê já demonstrava encanto pelos produtos.

“Desde quecomecei a fazer as primeiras coisinhas eu sempre fazia algo pra ele, mostrava a ele quando acordava. Ele tinha pouco mais de um ano, mas muito esperto e falante desde cedo, perguntava se ficou bonito e ele dizia. Amava quando fazia qualquer coisa pra ele brincar”, revelou Kamila.

Dificuldades enfrentadas no empreendedorismo materno - Apesar de ser o gatilho principal para mulheres empreenderem, o empreendedorismo materno traz também, muitas dificuldades e atingem consequentemente o tempo dedicado ao trabalho e o lucro. De acordo com dados da pesquisa Global Entreperneurship Monitor, as mulheres se dedicam 18% menos de suas horas ao trabalho em relação aos homens e recebem 22% menos. Entre os diversos motivos, os principais é o acumulo de trabalho com as tarefas de casa, filhos e o gerenciamento do empreendimento.

“Temos que nos dividir em mil, divido minhas experiências com empreendedoras que já estão estabilizadas financeiramente e todas temos uma mesma resposta: é uma loucura. Mas esse é o mesmo motivo que nos impulsiona, temos tempo para estar presentes na vida e no crescimento dos nossos filhos”, explicou Kamila.

Os desafios no empreendedorismo são diários e mudam conforme a necessidade de mercado, um exemplo atual é o enfrentamento a pandemia por coronavírus, em que diversos empresários e empresárias se depararam com a possibilidade de fechar o negócios. Mas para isso, Simone explica que é preciso inovação: “O empreendedorismo materno já é um desafio grande o mercado exige cada vez mais inovação e sobretudo conseguimos ver nossa capacidade de reinventar e adaptar, consigo notar em minha trajetória que estou mais forte”.