27/01/2019 - 11:45

Bolsonaro viaja a São Paulo para ser submetido à cirurgia de retirada da bolsa de colostomia



O presidente Jair Bolsonaro embarcou para São Paulo na manhã deste domingo (27), às 8h35, para se preparar para a cirurgia de retirada da bolsa de colostomia que carrega desde que levou uma facada durante ato de campanha eleitoral no ano passado. Segundo a assessoria do Palácio do Planalto, a previsão é de que o avião presidencial desembarque na capital paulista por volta das 10h.
A cirurgia de Bolsonaro está marcada para a manhã desta segunda-feira (28)no Hospital Albert Einstein. Neste domingo, o presidente realizará exames pré-operatórios, de acordo com a assessoria da Presidência.
Conforme o porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio Rêgo Barros, Bolsonaro será encaminhado diretamente do aeroporto ao hospital Albert Einstein.
O presidente tem previsão de ir para a sala de cirurgia por volta das 6h de segunda-feira.
Bolsonaro sofreu o atentado à faca em 6 de setembro, em meio a um ato de campanha na cidade mineira de Juiz de Fora. Ele teve o abdômen perfurado e teve que ser submetido, na Santa Casa de Juiz de Fora, a uma cirurgia. Mais tarde, já em São Paulo, ele recebeu a bolsa de colostomia – estrutura externa ligada ao intestino.
A colostomia é um procedimento que encaminha as fezes e os gases do intestino grosso para uma bolsa fora do corpo, na região abdominal. A ideia é evitar a passagem das fezes pelos ferimentos, o que poderia causar uma infecção no local da perfuração e/ou uma reabertura das feridas.
Com a cirurgia de segunda-feira, a equipe médica religará as partes do intestino do presidente que estão separadas, a fim de que o trânsito do órgão retorne ao normal.
 
Mourão presidente
 
O vice-presidente Hamilton Mourão exercerá a Presidência da República durante a cirurgia de Bolsonaro e por 48 horas após o procedimento. O período foi recomendado pelos médicos para recuperação de Bolsonaro, segundo o porta-voz da Presidência.
Rêbo Barros informou que a previsão é de que Bolsonaro permanecerá até dez dias em São Paulo para recuperação. Ao retornar ao exercício da Presidência, ele despachará do próprio Hospital Albert Einstein em uma área com “condições mais humanizadas”.
Ele explicou que a Presidência montou uma estrutura em São Paulo para que Bolsonaro receba ministros e possa “estabelecer governo efetivo e eficaz”.
Há previsão de briefings diários no próprio hospital para detalhar o estado de saúde do presidente e as atividades previstas para o dia seguinte.
Rompimento de barragem
 
Bolsonaro fará a cirurgia em um momento sensível para o governo. Na sexta-feira (25), uma barragem da mineradora Vale rompeu em Brumadinho (MG), levando um mar de lama à região, que deixou mortos e desaparecidos.
O governo federal anunciou a criação de um gabinete de crise para monitorar as ações em Brumadinho e definir medidas. Bolsonaro sobrevoou no sábado (26) a região afetada pela tragédia e comandou uma reunião de trabalho em Belo Horizonte.
Após o sobrevoo, Bolsonaro afirmou em uma rede social que fará o que estiver ao alcance dele para "prevenir novas tragédias" como a de Brumadinho. Em Brasília, o presidente informou que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que ofereceu ajuda com tecnologia para auxiliar nas buscas por desaparecidos.
Entre as medidas adotadas até o momento, a Polícia Federal abriu inquérito para apurar causas e responsáveis pela tragédia. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) multou a mineradora Vale em R$ 250 milhões em razão do rompimento da barragem.
 
G1