Joo Pessoa, 26 de Abril 2018

Colunista

Damião Gomes

Nenhum dado informado

Todos artigos [+]



Lula despreza o Judiciário

Ao afirmar, na festa de comemoração dos 35 anos do PT, em Belo Horizonte, que “estamos assistindo à repetição de um filme com final conhecido”, numa associação do mensalão com o petrolão, o ex-presidente Lula não só atribui pouca relevância a este que, na avaliação de muitos analistas, se apresenta como o maior escândalo de corrupção da história republicana brasileira, como insinua que o referido processo terá um julgamento apenas político, com objetivo claro de atingir a imagem do partido.
 
Na avaliação do petista, que afirmara durante a tramitação do processo do mensalão não ter havido pagamento de mesada a parlamentares, em troca de apoio político no Congresso Nacional, pessoas estariam sendo acusadas por meio da imprensa, com base em vazamentos seletivos de uma investigação à qual somente alguns têm acesso. “Não há contraditório, não há direito de defesa. E quando o caso chegar às instâncias finais da Justiça, certamente o julgamento já foi feito pela imprensa, os condenados já foram punidos. Restará apenas executar a sentença, como nós já vimos nesse país”, disse.
 
Num discurso lido, o maior líder do petismo fez duras críticas a atuação da Polícia Federal e saiu em defesa de João Vaccari Neto, atual tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, que fora levado para prestar depoimento nas primeiras horas desta última quinta-feira, atendendo a determinação judicial de condução coercitiva do dirigente partidário.

Se dizendo indignado, Lula reiterou a afirmação que fizera em comparação com o processo do mensalão,  de que “estão repetindo o mesmo ritual que eu vejo nesse Brasil desde 2005, quando começaram as denúncias que eles chamaram de mensalão. Toda quinta-feira começam a sair boatos. Na sexta-feira sai a denúncia, é publicado pelas revistas. Sai na televisão no sábado. No domingo, o massacre pela imprensa. E na segunda-feira começa um outro assunto, para na outra semana começar tudo outra vez. É um ritual. Está se repetindo.”
 
O ex-presidente falou à platéia que o objetivo da oposição é o ataque sistemático à maior empresa petrolífera do mundo, sem se incomodar com os prejuízos que esta ação possa resultar aos cofres da Companhia, com sérias consequências à economia brasileira, numa atitude que visa  atingir o principal partido da coalizão que governa o Brasil há doze anos, no caso o PT.

Comentários