Joo Pessoa, 23 de Janeiro 2018

Colunista

Judivan Gomes

Jornalista, formado pela UFPB. Comentarista Repórter do Programa Tony Show da rádio 100.5 a FM Líder.

Todos artigos [+]



O maior protesto é o das urnas

É animador assistir e ouvir as pessoas indo às praças e às ruas para manifestarem toda a sua insatisfação contra as autoridades políticas ou não do nosso país. Mas, penso que o maior protesto precisa acontecer no dia 07 de outubro quando nós brasileiros vamos escolher o presidente da República, o governador, o senador e os deputados federal e estadual. É na urna que precisamos depositar a esperança de um Brasil bem diferente do que nós temos atualmente.

O país precisa passar por um grande processo de reconstrução e se faz necessário que escolhemos bem nossos representantes. Na verdade, o Brasil precisa de uma verdadeira revolução, mas que não seja através de sangue. A revolução que eu falo está fundamentada no pensar das pessoas. Cada brasileiro tem que adotar a inteligência como principal instrumento de transformação de uma noção.

Vamos pensar e acreditarmos que somos capazes de darmos a reviravolta que este país precisa tanto. Só não acredito que iremos conseguir isto com xingamentos ou outros atos similares. Que às ruas sejam as maiores arquibancadas do Brasil e que as urnas sejam as portas que nos levem a um futuro melhor onde a verdadeira cidadania passa fazer morada em cada recanto deste país continental.

Depois da Copa do Mundo de Futebol é importante darmos início a copa por uma educação melhor; por uma saúde melhor; por uma segurança melhor e por agentes políticos que estejam verdadeiramente comprometidos com o bem estar dos cidadãos porque se não for desta maneira não vamos conseguir alcançar nunca o status de uma sociedade com a devida justiça social.

Vamos prestigiar a Copa que está sendo realizada aqui. Vamos apoiar os nossos atletas que estão a nos representar, mas sem esquecermos que é a política que deve estar acima da seleção brasileira e não o contrário como declarou a presidente Dilma Rousseff (PT) em recente entrevista.

 

  

 

 

Comentários